Sargo

 

O sargo é um peixe da classe dos osteíctios (peixe com esqueleto ósseo), da ordem dos teleósteos (com esqueleto ossificado e com escamas), e da família dos esparídeos. É conhecido em Portugal também por bicudo, choupa, olho-de-boi, alcarraz e mucharra, e, em outros países da Europa, por bindenbrassen (Alemanha), sargo (Espanha), sarge commun (França), blacktail (Inglaterra), sarago (Itália).

 

 

Caracterização: O sargo é um peixe de corpo oblongo, de cor prateada, apresentando nos flancos listas verticais finas de cor negra, mais ou menos visíveis num total de 9. Tem barbatanas pelvianas de coloração pardacenta e uma mancha em forma de sela sobre o pedúnculo caudal. O sargo comum diferencia-se das outras espécies de sargos - sargo de cabeça preta ou sargo preto da rocha, sargo veado e sargo de lábios grossos - por ser o mais prateado. A dentição é um indicador seguro para a sua identificação: por exemplo, enquanto o sargo comum ou prateado tem 8 incisivos o sargo veado possui 10 a 12.

Habitat: Os sargos preferem, de uma forma geral, viver em zonas litorais, quer em zonas rochosas quer arenosas. Destas preferem as que possuem algas, quer em grande quantidade (florestas destas ou, como são apelidadas por alguns pescadores, "cobertores de algas"), quer mesmo quando resumidas a pequenos tufos. A sua preferencia pelas algas explica-se por nelas os sargos encontrarem simultaneamente refúgio dos predadores e grande parte dos seres que constituem a sua alimentação. De uma forma geral, os que vivem nas zonas arenosas são mais claros e normalmente mais pequenos, ao passo que os que vivem em zonas rochosas, dentro de buracos e fendas nas rochas, são espécimes maiores, que aí se mantêm abrigados durante o dia só saindo à noite para se alimentarem.

 Reprodução: Quantoà sua reprodução, os sargos são hermafroditas, pois reúnem em si os órgãos reprodutores de ambos os sexos. Atingem a maturidade sexual aos 9 cm de comprimento. Reproduzem-se nos meses de Abril a Junho, pondo ovos que medem aproximadamente 1 mm. O seu tamanho é cerca de 10 cm ao atingirem 1 ano de idade (sarguetas), 14 cm aos 2 anos, 17 cm aos 3 anos e de 19 cm aos 4 anos.

Valor desportivo e comercial: Os sargos são peixes populares na pesca desportiva pois são muito enérgicos e oferecem uma luta tremenda quando se trata de espécimes grandes. Constituem um verdadeiro manjar especialmente se consumidos frescos. A sua importância na actividade piscatória comercial é diminuta, sendo mais relevante no Mediterrâneo. A totalidade das sarguetas vendidas nas grandes superfícies comerciais é criada em viveiro.

Alimentacão: Os sargos alimentam-se de bivalves - amêijoa, mexilhão, berbigão, lingueirão - e outros moluscos como o caracol-do-mar, o burrié, etc..., partindo as suas cascas com os molares, facto que também acontece com os ouriços "Sphaerechinus granularis". A sua alimentação alarga-se ainda aos vermes como a minhoca-das-rochas, a teagem, o ganso, o casulo, etc.

Material mais indicado: Quer as linhas quer os anzóis, a utilizar devem de ser escolhidos consoante o tamanho dos exemplares e o tipo de pesca (à bóia, ao fundo ou ao tento). A linha a utilizar pode ter uma espessura que vai desde os 0,16 mm na pesca à bóia e ao tento até aos 0,40 mm na pesca ao fundo. Os anzóis deverão ser "chapados", isto é, a forma do metal não deve ser redonda mas rectangular em todo o seu comprimento, ter a barriga com curva acentuada, de ponta descentrada, barbela de angulo fechado e comprimento médio, e de bico triangular ou de seta. O seu tamanho poderá ir desde o n.º 4 ao n.º 8 consoante o tamanho dos exemplares a capturar e as diferenças entre os fabricantes de anzóis. A isca a utilizar deverá ser a amêijoa, o berbigão, o mexilhão, os canivetes, o ouriço, o caranguejo pilado e os de carapaça mole, o percebe, o camarão, a minhoca serrada vermelha, a minhoca-das-rochas, o casulo, o ganso e a teagem.

Pesca ao fundo: Na pesca ao fundo interessa utilizar uma linha mais resistente e um anzol um pouco maior. A chumbada deve ser do tipo lágrima, cilíndrica ou bola, colher, torpedo, etc, para que não fique facilmente presa no fundo rochoso. Deverá pesar entre 30 a 100 gr, consoante a distancia que se pretende alcançar. O peso da chumbada não deve nunca ser superior a 100 gr pois corre-se o risco de não se sentir os espécimes mais pequenos. Na pesca ao fundo não se devem também utilizar iscos tipo ouriço, porque ficam facilmente destruídos com o impacto na água, ou como o camarão grande inteiro, pois não são muito apreciados quando utilizados desta forma. Em contrapartida, nota-se uma excelente eficácia quando se utiliza a amêijoa, o berbigão, o mexilhão, lingueirão, a minhoca-das-pedras, a minhoca-serrada, o casulo, a teagem e o ganso.

Onde encontrá-lo: Um último conselho diz respeito à escolha do local para a pesca. O sargo pode ser encontrado num variado número de litorais (praias, baías, enseadas, estuários, portos, molhes, pontões, etc). Mas, claro está, os locais com fundos marinhos rochosos irregulares são mais relevantes quer se considere o número de capturas, que a dimensão dos espécimes aí existentes. As condições marítimas podem ser diversas, desde os mares calmos ou de fraca corrente a mares mexidos com ou sem corrente; porém, as preferidas dos sargos são as águas límpidas mas bem oxigenadas, águas que apresentam uma bonita tonalidade azul-esbranquiçada, águas mexidas por vezes com turbilhões. Em certas zonas da costa, durante o Verão, grandes mantas de limos crescem abundantemente sem que o mar os quebre e, no fim do Verão, pode-se verificar frequentemente moscas e varejas a fazerem a postura nesse limos nas marés baixas. No começo do Outono, as larvas começam a eclodir fazendo aí encostar bons cardumes de sargos que se alimentam ferozmente. Depois de se ferrar um exemplar nessas zonas, deve-se de imediato levantar a ponteira da cana para não se correr o risco de o sargo voltar para dentro do buraco, entocar. Se o exemplar for grande, deve ser mais ou menos trabalhado, ou "bombeado", consoante a espessura da linha utilizada. Para trabalhar o sargo, é necessário primeiro, ao ferrar o exemplar, levantar a ponteira da cana e recolher alguma linha para evitar que volte a entocar, e depois abrir ligeiramente, já com ele a meia água aproximadamente, a embraiagem, pois o peixe ao fugir fica cansado mais depressa devido à ligeira força imposta pela embraiagem ao desenrolar a linha do carreto. Depois de cansado, o peixe deixa a linha mais "lassa", sem tensão e é esta a altura ideal para recolher a linha. Esta operação pode ter que ser repetida várias vezes consoante o tamanho do exemplar e a linha utilizada. O uso de um camaroeiro (enxalavar ou xalavar) é recomendado. Não está posta de parte a possibilidade, após o sargo se encontrar cansado, de andarmos alguns metros de costa até encontrarmos um local de fácil acesso ao mar onde se torne mais simples retirar o grande exemplar da água.